Moscas e Mosquitos: diferenças entre eles e danos à saúde humana – parte 2

Moscas e Mosquitos

Parte 2 – moscas e mosquitos e os rescos à saúde humana

Como vimos no último artigo, as áreas urbanas reúnem condições ideais para a sobrevivência e multiplicação de moscas e mosquitos. Além de abrigos, também oferecem alimentos em abundância e criadouros perfeitos para perpetuação e multiplicação de suas espécies.

 

O maior problema da multiplicação desses insetos em áreas urbanas é que seus predadores naturais não encontram nessas áreas as condições perfeitas para a sobrevivência. Além disso, e muito mais preocupante do que a própria proliferação, esses insetos podem trazer grandes malefícios à saúde humana por serem agentes transmissores de doenças como a dengue, pelo mosquito da espécie Aedes aegypti e a miíase (ou bicheira), pela mosca varejeira.

A dengue, que é a principal doença transmitida por mosquitos em áreas urbanas no Brasil, utiliza o Aedes como hospedeiro. Ao picar uma pessoa infectada, o mosquito passa a hospedá-la e, então, irá transmiti-la a outra pessoa ao picá-la. Desta forma, a doença vai se espalhando em proporções geométricas até que a maioria das pessoas de uma região esteja contaminada. Se as coisas chegam a este ponto, significa que o poder público foi omisso e não tomou as medidas cabíveis para prevenção e combate à doença.

Já a miíase, doença parasitária transmitida pela mosca varejeira, caracteriza-se pela utilização de feridas na pele humana como fonte para a procriação das larvas. A mosca varejeira coloca seus ovos na pele machucada, e, em questão de horas, nascem as larvas. Entre 12 e 24 horas, as larvas iniciam o processo de alimentação dos tecidos vivos, levando, no caso mais extremo, à amputação do membro e até à morte, se não tratada a tempo.

Como as doenças transmitidas tanto pelo mosquito Aedes quanto pela mosca varejeira são regionais, ou seja, se iniciam e se propagam dentro de uma área limitada, podem ser evitadas tomando algumas precauções. No caso da dengue, basta eliminar os criadouros. Já no caso da miíase, manter o ambiente limpo. Seguem abaixo algumas dicas para evitar o aparecimento e multiplicação desses insetos:

DENGUE:

  • Mantenha a caixa d’água sempre fechada e vedada;
  • Remova folhas, galhos e tudo que possa evitar que a água da chuva corra pelas calhas dos telhados;
  • Lave periodicamente os tanques utilizados para armazenar água, utilizando uma escova para esfregar suas paredes;
  • Encha de areia até a borda os pratinhos de vasos de plantas;
  • Guarde garrafas de cabeça para baixo;
  • Não deixe entulhos, pneus e quaisquer recipientes expostos à chuva nos quintais.

MIÍASE

  • Mantenha alimentos, principalmente de origem animal, em locais refrigerados e nunca expostos ao ambiente natural por longos períodos;
  • Não permita que lixos orgânicos se acumulem por longo tempo. Seu odor atrai as moscas;
  • Se suspeitar que uma mosca varejeira pousou em algum alimento, descarte-o imediatamente, pois certamente ela já depositou seus ovos.
  • A Limptec aposta na conscientização da população para a diminuição dos transtornos do dia-a-dia provocados pela proliferação de insetos. Mas, caso necessário, estará em prontidão para solucioná-los.

Limptec. Solucionando com eficiência, rapidez e qualidade.

 

Leia: Moscas e Mosquitos: Diferenças entre eles e danos à saúde humana – parte 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *